SÍTIO DOS NUNES, TAMBORIL E SUAS ORIGENS  DISTANTES

 

Sítio dos Nunes é ainda hoje um distrito de Flores. No início dos anos 40 deste século, gozou de um surto de progresso. quando o Governo Vargas, através da sua Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas, por ali rasgava, com maquinaria pesada e sob o comando dos engenheiros ISMAR e SABÓIA, a rodovia central de Pernambuco. Na segunda metade do século XVII, Sítio dos Nunes era uma das muitas fazendas pertencentes ao rico latifundiário sertanejo. Capitão Manuel Nunes.

As outras eram: Sabá, Poço Comprido, Conceição, Balanças, São Gonçalo, São Domingos, São Boa Ventura e Tamboril. Esta última que, de acordo com o historiador Luís Wilson, havia sido fundada por Domingos Afonso Sertão, é hoje a povoação de Tamboril, próxima a Calumbi. Segundo informou Nelson Barbalho, em “carta à redação” do Diário de Pernambuco, publicada em 28/11/1983, o capitão Manuel Nunes havia comprado aquelas terras aos Missionários da Congregação de São Filipe Neri(Oratorianos). Após sua morte, o vasto latifúndio caiu em poder de seu filho Aniceto Nunes da Silva.

Aniceto é um dos grandes e velhos sertanejos tratados por Luís Wilson no seu livro de igual nome,(ver volume 1 capítulo 14). No primeiro quarto do século XIX, Aniceto era pessoa influente em Flores. Como Alferes de milícia, em 1.811, participou ativamente das solenidades de instalação da Vila, do pelourinho, etc. e assinou a importante ata. Casara, no final do século XVIII, com Antônia Lourenço Aragão, filha de Inácio de Aragão Osório e de sua mulher Mana Francisca de Jesus, natural de Cotinguiba, Sergipe, descendente em linha direta, como o marido, dos fidalgos da Casa da Torre. Aquele Inácio de Aragão Osório seria pai ou irmão de Filipe de Aragão Osório, o futuro avô materno do Monsenhor. Pinto de Campos. Aniceto morreu em 1.848, com cerca de 100 anos. Sua mulher morrera em 1.846, também muito idosa. O casal deixou 9 filhos:

F 1 - Manuel Francisco da Silva, morto por índios, na Malhada da Pedra, Floresta do Navio;

F2 - Cipnano Nunes da Silva;

F3 - José Francisco da Silva;

F4 - João Nunes da Silva, que herdou a fazenda SITIO, hoje povoado de Sítio dos Nunes. O capitão João Nunes morreu também muito idoso. Era o pai do padre Dano Nunes, vigário de Flores nos anos 80 do século XIX; de Simplício Nunes, de Emiliana, de Salviano e de outros mais. Filho de Salviano foi Juvenal Nunes. Neste século teve bastante relevo naquela localidade, o estimado comerciante e político Teodomiro Nunes Duarte, recentemente falecido, descendente direto do velho capitão João Nunes.

F5 - Antônio Leandro da Silva;

F6 - Alexandre Nunes da Silva;

F7 - Joaquim Nunes da Silva;

F8 - Ana, que casou com o capitão Simplício Pereira da Silva;

F9 - Francisca(Chiquinha) que casou com o Comandante Superior de Flores e de Serra Talhada, Manuel Pereira da Silva. A descendência de Aniceto e a do seu filho capitão João Nunes da Silva, enfim, cresceram, se multiplicaram e espalharam como grãos de areia do deserto.

 

 

 

Transcrito da Obra : Flores do Pajeú - História e Tradições - Págs: 32/33 - de autoria de :Belarmino de Souza Neto